This Universal Disease Reached Our Home

How did the Latvians face the 1918 Spanish Flu pandemic in Brazil?

A week ago Brazil completed 100 days of lockdown. Our country is the second largest Covid-19 hub in the world, accounting 55,000 deaths. Latvian communities in Brazil had to cancel their events because of public health concerns. For the first time in 70 years, the LBBA will not hold the yearly Latvian Congress. The traditional Līgo party in Nova Odessa was canceled, as well as the Latvian Meetings in Curitiba.

Although alarming, 2020 is not the first time Latvian Brazilians face a global pandemic. 102 years ago, the dreaded Spanish Flu plagued Brazilian cities and piled up corpses on the street – and threatened the young latvian colonies in Brazil.

Thanks to the Letters from Rio Novo Archive, we can get a sense of what the colonists thought at the time. On the website are numerous letters exchanged between friends and relatives. In this article, we will only highlight the parts concerning the Spanish Flu, but the complete letters can be accessed by clicking on their respective headings (place and date).

As we have already discussed in previous articles, the first immigrants from Latvia arrived in Brazil in 1890, creating the colony of Rio Novo, in the state of Santa Catarina. In the following decades, several of these colonists spread throughout the south and southeast of Brazil, building cities like Ijuí, Urubici and Nova Odessa.

The epidemic was brought to Brazil by English sailors in Rio de Janeiro in September 1918. But the Brazilian authorities neglected the news of the alarming pandemic that engulfed Europe. At the same time, the population was ignorant of the danger that was to come. It didn’t take long for the disease to reach exorbitant figures. In Rio de Janeiro, 600 thousand fell ill, 66% of the city.

In the year of the pandemic, some Latvian students from the colony of Rio Novo studied in the capital. The first mention of the dreaded disease was in a letter written by Pastor Karlis Leimanis (Carlos Leiman) to his friend Reinalds Puriņš (Reynaldo Purim), who at the time studied at the Theological Seminary of Southern Brazil, in Rio de Janeiro.

Karlis Leimanis (Riga, March 7, 1880) was pastor of the Baptist Church of Rio Novo and director of the colony school.

Cachoeiro do Itapemirim, October 27, 1918

The rumors here, coming from Rio, are to frighten the world. What’s the reality there? Has the “Hespanhola” reached the College yet? Is it still working? We closed our school even without reasons of “bigger force”, because here the “one” does not inspire fear, but the people are alarmed and are the worst. What is your destination for holidays? Already decided? I am proposing a deal to Mr. Reno – If he accepts …? I don’t know – but I want to know your opinion – directly and frankly.

Reinalds Puriņš, born in the colony in 1897, attended the same school and church that Leiman was a pastor. Almost like a mentor, they were both great friends and discussed the issues of the colony. Reinalds had left Rio Novo the previous year, 1917, to study theology in Rio de Janeiro.

The next mention of the infamous disease was made by her sister, Olga Puriņa, in a letter from Rio Novo:

Olga Puriņa (Rio Novo, 1901), Reinalds’ sister, lived in the colony with her family.

Rio Novo, December 18, 1918

(…) It has been a long time since we heard from you, and that is why we did not know where you had been on vacation. The letter of 18 November was lost, as well as that of 7 October.


(…) The letters are probably lost, since several ships were not allowed to enter the port of Laguna because of many passengers with the “disease”. So, no wonder that so many letters were lost.

We are all healthy. None of us got this disease. Here in Rio Novo some caught the flu and in Orleans some have already died, but none of us. Some are so afraid that they will not leave their property to avoid getting the disease, but I often go to Orleans and I didn’t get anything.

Weeks ago the Griķi were sick, but nothing serious. Old Somers is very sick, but not with the flu. So Lūcija sent Dad to make the coffin. Dad was there with the Griķi all day and we were worried about the possibility that he got the disease, but nothing. Well, there would be again [the possiblity].

(…) [Jurgis Karklis] said that in Porto Alegre people die like flies and that vehicles walk around the streets picking up corpses – more than a thousand a day, which makes it impossible to bury everyone. In São Paulo and Rio it is also the same; he was saved because he carried a glass of cresol close to his nose at all times. But he is gaudy, very pompous. (…)

The colony’s relative geographic isolation – close to the coastal mountain range – delayed the arrival of the disease for only a few months. While entire Brazilian cities were devastated, the settlers only knew about the news from travelers. The first infections among Latvians began on Christmas 1918.

Olga Puriņa. Unfortunately, the letters sent by her brother have not been preserved.

Rio Novo, January 8, 1919

(…) This time I have nothing good to write to you. We would be doing well if it weren’t for this epidemic, this universal disease, which reached our home. You may have already forgotten about this disease, but it is only now that it has come this far.

This epidemic has been in Orleans for a long time and here in Rio Novo too, but here at home it started with a headache and tiredness, body slack. As the day was very hot, I thought it was because of that. The other day I had nothing more, just a little cough, and so my illness gave way with a good sleep. Lūcija had to lie down on New Year’s eve. Arthur and Mamma after the New Year. We are hardly bedridden, but only with a lot of cough. But with Papus [“dad”, Jānis Puriņš], who always held on while the others were sick, started on Sunday and he went to bed- and it’s longer than us all together. Today it looks a little better.

It seems that there was no home where no one was sick. Now the Klaviņi and Leimani are sick. Here in the colonies it is not so strong, but there in Orleans several Brazilians have already died due to this disease; also many, after having a hard time, came to recover.

In Orleans, two “hospitals” were improvised: one at the cinema and the other at Jurkis Jakobsons’ house. Some Latvians who went to visit these places said that in a place like this it is very likely that the patients will only get worse and will hardly be able to heal, as there is not the slightest ventilation: the windows are all kept completely closed and it gets hotter inside than a sauna.

(…) [About Christmas festivities] Visitors were not as many as the other years; one explanation is that due to the flu epidemic, several people have avoided gatherings, (…)

[Written on the side:]
9-1-19 – Today I received the newspapers from 12/14/18. Letter, none. I will have to wait longer. Sincere memories from Olga.

Fortunately, Olga’s family survived the epidemic. However, the disease took some of the older settlers. It is not known how many Latvians died due to the Spanish flu of 1918, but reports seem to indicate that colonies were not hit as hard as cities.

Olga passed away due to hookworm complications in 1926.

Rio Novo, February 5, 1919

(…) We are thankful now, thank God, all are healthy and we can all work again. As I already wrote in another letter, that “Spanish” [Spanish flu] settled in at home, but now he’s gone and not all of us were very affected. The one who stayed in bed the most was Paps who stayed a whole week.

Work, as always, we have too much. (…)

[Postcard dated with Orleans’ stamp: 12 February 1919]

Old Somers died on December 20 at the Griķi’ house and the funeral was the following day. Recently, he was so bad that he didn’t recognize anyone and couldn’t move.

Jurgis Karklin, as I already wrote, is at home, but now he doesn’t hear the great “pompe” telling those great things, nor does he talk about leaving. (…)

Then, by the end of 1920, the pandemic slowly loosened its grip. Without hospitals or any aid, the latvians survived the Spanish Flu. The Colony withstood this arduous test of resilience and continued to be the home of the many, many immigrants who had made Brazil their home. However, this was not the Latvian’ last encounter with the disease:

Karlis Leimanis, before being pastor of Rio Novo, had run away from home to live among natives. The rest of his life he was a missionary in Paraná and Bahia.

Castelo (ES), July 25, 1921

Yesterday I arrived back from Vitória, where I spent a whole month traveling, I am now leaving behind 9 more leagues on horseback [almost 60 kilometers], I will be home on Saturday to start classes on Monday.

The weather is very cold and rainy and the people are sick with the Spanish flu. (…)

So it leaves us – those who live today – the task to learn from our ancestors. No matter how desperate or worrying the following years become, we can always look back and see how different, but how similar, our lives are. In the future, it will be our turn to tell our stories to new generations. The Covid-19 pandemic will become one of many challenges in the history of Latvians Brazilians. So, it is up to us to learn and preserve these stories to be told in the future.

Cover image: 1918 field hospital set up at Club Athletico Paulistano in 1918 / Reproduction
Autor: Andreis Purim
Special thanks to Alice and Arvido Purim

Essa Doença Universal Chegou até Nossa Casa

Como os Letos enfrentaram a pandemia de 1918 no Brasil?

Há uma semana completamos 100 dias de quarentena no Brasil. Nosso país é o segundo maior polo do Covid-19 no mundo, contabilizando 55 mil mortes. As comunidades letas no Brasil precisaram cancelar seus eventos por razões de saúde pública. Pela primeira vez em 70 anos a ABLB não realizará o Congresso Leto, que seria em Laguna. A tradicional festa Līgo, em Nova Odessa, foi cancelada, assim como os encontros do Grupo Leto de Curitiba. 

Apesar de alarmante, 2020 não é a primeira vez que a comunidade leta do Brasil enfrenta uma pandemia global. Há 102 anos, a temida Gripe Espanhola assolava cidades brasileiras e empilhava cadáveres na rua – e ameaçava as recém-nascidas colônias letas no Brasil. 

Graças ao acervo das Cartas de Rio Novo podemos ter uma noção do que os colonos pensavam na época da doença. No site estão inúmeras cartas trocadas entre amigos e parentes. Neste artigo, apenas destacaremos as partes sobre a Gripe Espanhola, mas as cartas completas podem ser acessada clicando nos seus respectivos cabeçalhos (local e data).

Como já discutimos em artigos anteriores, os primeiros imigrantes da Letônia desembarcaram  no Brasil em 1890 criando a colônia de Rio Novo, em Santa Catarina. Nas décadas seguintes diversos destes letos se espalharam pela região sul e sudeste do Brasil, construindo cidades como Ijuí, Urubici e Nova Odessa.

A epidemia foi trazida ao Brasil pelos marinheiros ingleses no Rio de Janeiro em setembro de 1918. Mas as autoridades brasileiras trataram com descaso as notícias da alarmante pandemia que se alastrava pela Europa. Ao mesmo tempo, a população se demonstrava ignorante ao perigo que estava para chegar. Não demorou para a doença atingir cifras exorbitantes. No Rio de Janeiro, 600 mil adoeceram, 66% da cidade.

No ano da pandemia, alguns estudantes letos da colônia de Rio Novo estudavam na capital. A primeira menção da temida doença foi em uma carta escrita pelo pastor Carlos Leiman ao seu amigo Reynaldo Purim, que na época estudava no Seminário Teológico do Sul do Brasil, sediado no Rio de Janeiro.

Carlos Leiman (Riga, 07 de Março de 1880) foi pastor da Igreja Batista de Rio Novo e diretor do colégio da colônia.

Cachoeiro do Itapemirim, 27 de Outubro de 1918

Os boatos por aqui, vindos do Rio, são de atemorizar o mundo. O que há de realidade ahi? A “Hespanhola” já chegou até o Collegio? Está funcionando ainda? Nós fechamos o Collegio ainda que sem motivos de força maior, pois aqui a “tal” não inspira medo, porem o povo está alarmado e é o peior. Qual é o teu destino pelas ferias? Já resolveu? Estou propondo um negocio ao Sr. Reno – Se ele aceitar…? Não sei – porem quero saber alguma cousa de ti — direta e francamente.

Reynaldo Purim, nascido na colônia em 1897, havia frequentado a mesma escola e mesma igreja que Leiman era pastor. Quase como um mentor, ambos eram grandes amigos e discutiam as questões da colônia. Reynaldo havia saído de Rio Novo no ano anterior, 1917, para estudar teologia no Rio de Janeiro. 

A próxima menção da infame doença foi feita pela sua irmã, Olga Purim, em carta do Rio Novo:

Olga Purim (Rio Novo, 1901), irmã de Reynaldo, vivia na colônia com a família. 

Rio Novo, 18 de dezembro de 1918

(…) Fazia já bastante tempo que não tínhamos notícias suas, e por isso não sabíamos onde tinhas ficado nas férias. A carta de 18 de novembro foi extraviada, bem como a de 7 de outubro.

(…) As cartas provavelmente se perdem, pois diversos navios não foram autorizados a entrar no porto de Laguna por causa de muitos passageiros com a “doença”. Então, não admira que tantas cartas ficaram extraviadas.

Nós estamos todos com saúde. Ninguém de nós pegou essa doença. Aqui no Rio Novo alguns pegaram a gripe e em Orleans alguns já morreram, mas entre os nossos ninguém. Alguns tem tanto medo não saem da sua propriedade para não pegar a doença, mas eu vou frequentemente a Orleans e não peguei nada.

Semanas atrás os Grikis estavam doentes, mas nada sério. O velho Sommers está muito doente, mas não com a gripe. Então a Luzija mandou papai fazer o caixão. Papai ficou lá nos Grikis o dia inteiro e a gente ficou preocupada pela possibilidade de ele ter pego a doença, mas nada. Bem que haveria de novo.

(…) [Jurgis Karklis] contou que em Porto Alegre morre gente como moscas e que viaturas andam pelas ruas catando cadáveres — mais de mil por dia, o que impossibilita enterrar todos. Em São Paulo e no Rio também é igual; ele se salvou porque carregava um vidro de creolina junto ao nariz por todo tempo. Mas ele é muito papudo, muito prosa. (…)

O relativo isolamento geográfico da Colônia – perto da serra Catarinense – atrasou a chegada da doença por apenas alguns meses. Enquanto cidades brasileiras inteiras eram devastadas, os colonos apenas sabiam das notícias de viajantes. As primeiras infecções entre os letos começou no natal de 1918.

Olga Purim. Infelizmente, as cartas enviadas pelo seu irmão não foram preservadas.

Rio Novo, 8 de janeiro de 1919

(…) Desta vez não tenho nada de bom para te escrever. Nós estaríamos passando bem se não fosse essa epidemia, essa doença universal, que chegou até a nossa casa. Pode ser que você já tenha esquecido dessa doença, mas foi só agora que ela chegou até aqui.

Faz tempo que esta epidemia estava em Orleans e aqui no Rio Novo também, mas aqui em casa começou com uma dor de cabeça e um cansaço, moleza do corpo. Como o dia estava muito quente, pensei que fosse por causa disso. No outro dia não tinha mais nada, somente um pouco de tosse, e assim a minha doença cedeu com um bom sono. A Luzija teve que ficar deitada no dia do Ano Velho. O Arthur e a Mamma depois do Ano Novo. Nós quase não ficamos acamados, mas somente com muita tosse. Mas com o Papus [“papai”, Jahnis Purins] que sempre aguentou firme enquanto os outros estavam doentes, começou no domingo e ele foi para cama mesmo — e está mais tempo do que nós todo mundo juntos. Hoje parece que está um pouco melhor.

Aqui parece que não teve nenhuma casa onde não houvesse alguém doente. Agora os Klavin e os Leiman estão doentes. Aqui nas colônias não é tão forte, mas lá em Orleans diversos brasileiros já vieram a falecer devido a essa doença; também muitos, depois de passar um bocado difícil, vieram a se recuperar.

Em Orleans foram improvisados dois “hospitais”: um no cinema e outro na casa do Jurk Jakboson. Alguns letos que foram visitar estes lugares disseram que num lugar destes é muito provável que os doentes só possam piorar e dificilmente possam sarar, por não haver a mínima ventilação: as janelas são mantidas todas completamente fechadas e devido a esse fato lá dentro faz mais calor que uma sauna.

(…) [Sobre as festividades natalinas] Visitantes não havia tantos quanto os outros anos; uma explicação é que devido à epidemia da gripe diversas pessoas tem evitado ajuntamentos, (…)

[Escrito na lateral:]
9-1-19 – Hoje recebi os jornais de 14-12-18. Carta, nenhuma. Vou ter que esperar mais. Sinceras lembranças da Olga.

Felizmente, a família de Olga sobreviveu à epidemia. Entretanto, a doença levou alguns dos colonos mais idosos. Não se sabe ao todo quantos letos morreram devido à gripe espanhola de 1918, mas os relatos parecem indicar que as colônias não foram atingidas tão fortemente quanto as cidades.

Olga faleceu devido à Ancilostomose em 1926.

Rio Novo, 5 de fevereiro de 1919

(…) Nós agora graças a Deus estamos bem, todos com saúde e podemos todos trabalhar novamente. Como já escrevi em outra carta aquele “espanhol” [Gripe espanhola] se instalou lá em casa, mas agora já foi embora e nem todos fomos muito afetados. Quem ficou mais tempo de cama foi o Paps que ficou uma semana inteira.

Trabalho, como sempre, temos demais. (…)

[Cartão postal datado com o carimbo de Orleans: 12 de fevereiro 1919]

O velho Zommer morreu no dia 20 de dezembro na casa dos Grikis e o enterro foi no dia seguinte. Nos últimos tempos estava tão mal que não reconhecia ninguém e não conseguia se mexer.

O Jurgis Karklin, como já escrevi, está em casa, mas agora não se ouve a grande “prosa” contando aquelas grandezas, nem fala de ir embora. (…)

E então, até o final de 1920 a árdua pandemia finalmente afroxou suas garras. Sem hospitais ou ajuda governamental, os Letos sobreviveram à Gripe Espanhola. A Colônia resistiu esse árduo teste de resiliência e continuou a ser a casa dos muitos e muitos imigrantes que haviam feito do Brasil sua terra. Entretanto, este não foi o último encontro dos Letos com a doença:

Carlos Leiman, antes de ser pastor de Rio Novo, havia fugido de casa para viver entre os indios. No resto de sua vida foi missionário no Paraná e Bahia.

Castelo (ES), 25 de julho de 1921

Saúde!!
Ontem cheguei de volta de Vitória, onde passei um mês inteiro viajando, estou agora deixando para traz mais 9 léguas a cavalo [quase 60 quilômetros], estarei em casa no sábado para começar as aulas na segunda feira.

O tempo está muito frio e chuvoso e o povo está doente com a gripe espanhola. (…)

Fica para nós – os que vivemos os dias atuais – aprendermos com nossos antepassados. Não importa o quão desesperadores ou preocupantes os anos seguintes se tornem, sempre poderemos olhar para o passado e ver o quão diferente, mas quão similar, são nossas vidas. No futuro, chegará a nossa vez de contar as nossas histórias para as novas gerações. A pandemia do Covid-19 se tornará mais um dos muitos desafios na história dos letos-brasileiros. Então, fica a nós aprendermos e preservarmos essas histórias para serem contadas no futuro.

Imagem de Capa: Hospital de campanha de 1918 montado no Club Athletico Paulistano em 1918 / Reprodução
Autor: Andreis Purim.
Agradecimentos à Alice e Arvido Purim.