Latvian Consul Daina Gutmane says Goodbye

On July 14, 2020, the Latvian Honorary Consul in Brazil, Daina Gutmane, left the office for health reasons. Daina was one of the main figures among the Latvians of Brazil in the last decades. She became consul in 2013 and has implemented major changes and new projects with the Latvian community in Brazil. Today’s article will explain her biography, her work, and the challenges of a Latvian Consul in Brazil.

Queridos Amigos, tenho a informar que, por motivos de saúde, desde 14 de julho de 2020 não sou mais Cônsul Honorária da…

Posted by Daina Gutmanis on Thursday, 16 July 2020

Biography

Daina Gutmane was born on April 8, 1958, in São Paulo. Her parents fled Latvia as refugees from World War II and the Soviet occupation – and like many latvians, were  scattered around the world. Daina’s generation was born as orphan of their country – news that came were of censorship and deportation – yet, Daina’s family proudly taught her the Latvian language and culture. Since a very young age she participated in Latvian cultural activities, dressed in tautastērpi in commemorative ceremonies and exhibitions.

After participating in a 2×2 Latvian Culture camp in the USA and in another one in Venezuela, she was enthusiastic about what she learned and together with other Latin-American Latvians decided to create in 1977 DLJA (South-American Latvian Youth Association) and BRALJA (Brazilian Latvian Youth Association. From these organizations came the great names of Latvians in Latin America, such as Anita Zalts (Argentina), Guntars Gedulis (Venezuela), and of course, Daina Gutmane.

In 1979, inspired by her 2×2 experience, she helped organize the first Latvian culture camp in Brazil, called “Saulaine”, held in Nova Odessa. Among the volunteers was Ms. Vaira Vike-Freiberga, as a teacher, who one day would become the President of Latvia (1999 – 2007). Daina also helped organize the Latvian Sunday school on at the Latvian Lutheran Church in São Paulo. She also joined the Imeria Student Corporation.

DLA (South American Latvian Association) Congress: Ilgvars Zalts, Roberts Pontuška (with the flag), Rūdolfs Ķīvīts, Daina Gūtmane

As a Volunteer

In her professional life, Daina graduated as an Agronomist in 1981 at the University of São Paulo. She obtained her Master’s degree in 1990 and a PhD in 2004. Her doctoral thesis on carbon sequestration earned her the Best Academic Work Award from the Brazilian Business Council for Sustainable Development. She was a Scientific Researcher at the Animal Science Institute from 1989 to 2013, performing various functions, in addition to participating in several national and international scientific events.

To complement the already brilliant curriculum, Daina decided to pursue a Specialization in International Law and Relations, concluding in 2006 at UNIMEP. The first steps in your career as a consul.

Daina is a volunteer at heart. She held several positions in the Latvian Lutheran Community and, from 2003 to 2010, she was the secretary of the Brazilian Association of Latvian Culture. From 1997 to 2015, he was also president of DAKLA, the Latvian Association of South America and the Caribbean (successor to DLA and DLJA) and participated annually in PBLA meetings.

PBLA meeting in 2017. Daina is in the middle of the second row.

Daina organized the visit of Latvian President Vaira Vike-Freiberga to Nova Odessa in 2007, Prime Minister Valdis Dombrovskis in 2011 and Minister of Defense Raimonds Bergmanis in 2016. He held the photo exhibition “Latvian Immigrants” in 2008 at the Immigrant Memorial, in São Paulo, in celebration of the 90th anniversary of the Proclamation of the Republic of Latvia. In 2008, he received a Diploma and Tribute from the Latvian Ministry of Foreign Affairs for his significant work on behalf of the Republic of Latvia. In 2009 she received the title of “Novaodessensean Citizen ” from the City Council of Nova Odessa.

Daina – The Consul

Before talking about her job as consul, it is necessary to explain what the position of Honorary Consul is. Without too much legal detail, an Honorary Consul is a 100% voluntary position held by citizens of the target country to represent another country. Honorary consuls do not hold legal / international power, and usually the “diplomatic” role they play is only an aid is in economic matters for companies wishing to do business with the country they represent. 

The office of Honorary Consul of Latvia in Brazil, however, is a position that has come to embody a much greater social and symbolic importance – this Consul not only represents but helps the entire Latvian community in Brazil. After retiring from public service in 2013, Daina was named Consul, being the second to occupy the post after the 1991 Latvian restoration of independence, succeeding Dr. João Grimberg.

It should also be noted that all expenses for the position of Honorary Consul are borne by them, since the country represented does not provide any subsidy or remuneration. And there is always a need for travel, freight costs, and a plethora of actions that require attention and, consequently, costs. During her tenure she was able to assist and assist both Brazilians and foreigners in regularizing documents and spreading Latvia to Brazilians, as well as Brazil to Latvia.

In addition to diplomatic representation, Daina continued to participate and support the activities of PBLA, DAKLA and the Brazilian Association of Latvian Culture, in order to preserve Latvian culture in Brazil. Daina participates in the Brazilian Latvian Choir and during her tenure, both this Choir and the Ijuí Dance Group participated in the Latvian Song and Dance Festival that took place in July 2018.

Daina was also one of the main figures behind the 1st Festival of Latvian Culture in Brazil, held in November 2018 in Nova Odessa and Americana. In 2016 he received a tribute from CONSCRE – State Parliamentary Council of Communities of Foreign Cultures at the Legislative Assembly of São Paulo for her relevant services in the Latvian Community.

Finally, on April 8, 2019, by decision of the Presidential Commission of the highest national decorations, Daina Gutmane was awarded the Cross of Recognition (Atzinibas Krusts), III category, for her relevant work. of the Order of the Cross of Recognition. The award ceremony by the President of Latvia took place on May 3, 2019.

Daina speaks at the National Museum of Latvia, 2019. Right behind is Latvian President Raimond Vejonis and the representative of the Ministry of Culture Jolanta Borīte.

Far Beyond Medals (or The Work of a Consul)

A personal testimony by Andreis Purim

The Honorary Consul’s job is a bit ungrateful – or as a friend once said: “you give your sweat and they ask for your blood” – in addition to being an unpaid position, trying to represent almost 25,000 Latvians in Brazil, (spread across several states) is a titanic job. Unfortunately, most people only see the consul when he receives medals, and few are around when he is working. This article, in addition to being informative, is a dedication to Ms. Daina Gutmane.

If you ever go to a Līgo in Nova Odessa, don’t be surprised to see the Consul working in the back of the food stall.

Daina was one of my first friends when I arrived in Nova Odessa to participate in the Līgo, in 2016. She picked me up at Viracopos airport and gave me a ride to the place where the event would be held. It would be just the first of many rides I received. Whenever an Association event ended, she – along with a few volunteers – stayed until the very end of the organization and helped to pack everything. At the end of the Latvian Festival, 2 am, there were only 4 people in the theater stacking the nearly 200 plastic chairs that we rented for the Choir. Daina was one of them.

Not only did Daina dedicate her sweat and work, she also transformed her home into a consulate. In addition to holding various events and meetings, Daina’s house served as an electoral booth for Latvia’s parliamentary elections in 2018 (we work from 5 am to 8 pm). If that wasn’t enough, even her sofa served as a bed for some volunteers from São José dos Campos who realized that it was too late to drive down the road after a Līgo.

But certainly, the most difficult part of the job is taking care of the 33 Latvians who were arrested in Brazil. Most of these prisoners are ethnic Russians with Latvian passports (some do not even speak Latvian), and became involved in organized crime and drug trafficking after the fall of the Soviet Union. These prisoners are in prisons in three different states. Without the voluntary work of Daina – who drives for hours and hours every month to help them have diplomatic representation – these prisoners could end up being recruited by Brazilian criminal factions, as they have no legal protection. This type of work does not earn medals, just expenses and headaches, but she’s always there.

Since Daina opened a profile on Facebook, her inbox has never stopped receiving questions about citizenship, passports, documents and sometimes even travel advice. At the DAKLA meeting in 2018, I needed a real-time latvian translator for my presentation, and she volunteered without hesitation. Instead of luxurious dinners with the big shots, Daina preferred to have a snack on the subway with the volunteers of the Latvian Culture Festival.

After all this, it is easy to understand how demanding the physical and mental exercise of the Consulate is. Of course, I don’t want to belittle the work of other very dedicated volunteers from the Latvian community (each deserves an article in its own right), but Daina really is an example of someone who gave everything she could. It is a great shame that she is leaving the office – but between us – she also deserves a rest.

Thank you!

Cônsul Daina se Despede do Cargo

No dia 14 de Julho de 2020, a Cônsul Honorária da Letônia no Brasil, Daina Gutmanis, deixou seu cargo por motivos de saúde. Daina foi uma das principais figuras entre os letos do Brasil nas últimas décadas e desde que assumiu este cargo em 2013 implantou mudanças e fez várias ações para projetar a comunidade leta do Brasil junto ao governo da Letônia, assim incrementar o intercâmbio entre a Letônia e as comunidades letas do Brasil. O artigo de hoje irá retratar um pouco da trajetória de sua vida, seu trabalho como cônsul, e os desafios de um Cônsul Leto no Brasil.

Queridos Amigos, tenho a informar que, por motivos de saúde, desde 14 de julho de 2020 não sou mais Cônsul Honorária da…

Posted by Daina Gutmanis on Thursday, 16 July 2020

Biografia

Daina Gutmanis nasceu em 08 de abril de 1958, em São Paulo capital, filha de pais vindos da Letônia como refugiados da Segunda Guerra Mundial e da ocupação soviética, e assim como muitos outros letos letos, foram espalhados pelo mundo. A geração de Daina nasceu orfã de sua pátria – as notícias que chegavam eram de censura e deportações – ainda assim, a família de Daina lhe ensinou orgulhosamente a língua e cultura leta. Desde jovem, ela sempre participou de atividades culturais letas, vestida com traje típico em cerimônias comemorativas e exposições.

Após participar num acampamento 2×2 (um acampamento para jovens aprenderem a cultura leta que existe até hoje) nos EUA e em outro na Venezuela, ficou entusiasmada com o que aprendeu e junto com outros jovens letos latino-americanos resolveram fundar em 1977 a DLJA – Associação dos Jovens Letos da América do Sul e a BRALJA – Associação dos Jovens Letos do Brasil. Dessas organizações vieram a surgir grandes nomes dos letos na America Latina, como Anita Zalts, da Argentina, Guntars Gedulis, da Venezuela, e é claro, Daina Gutmanis.

Em 1979, inspirada pela experiência do 2×2, ajudou a organizar o primeiro acampamento de cultura leta no Brasil chamado “Saulaine”, realizado em Nova Odessa – SP. Dentre os voluntários que ajudaram a organizar estava a Sra. Vaira Vike-Freiberga, como professora, sem imaginar que um dia ela seria a Presidente da Letônia (1999 – 2007). Daina também ajudou a organizar a escolinha leta aos sábados na Igreja Luterana Leta de SP. Ingressou na Corporação Estudantil Imeria de universitárias letas.

Congresso da DLA (Organização dos Letos da América do Sul): Ilgvars Zalts, Roberts Pontuška (com a bandeira), Rūdolfs Ķīvīts, Daina Gūtmanis

O Voluntariado

Na vida profissional, Daina se formou como Engenheira Agrônoma em 1981 na USP ESALQ . Obteve seu título de Mestre em 1990 e Doutora em 2004. Sua tese de Doutorado sobre Sequestro de Carbono rendeu-lhe o Prêmio de Melhor Trabalho Acadêmico conferido pelo Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável. Foi Pesquisadora Científica do Instituto de Zootecnia de 1989 a 2013, exercendo diversas funções, além de participar de diversos eventos científicos nacionais e internacionais. 

Para complementar o currículo já brilhante, Daina decidiu fazer uma Especialização em Direito Internacional e Relações Internacionais, concluindo em 2006 na UNIMEP. Os primeiros passos para sua carreira como cônsul.

Daina é uma voluntária de coração. Ocupou vários cargos na Comunidade Luterana Leta de SP e de 2003 a 2010 foi secretária da Associação Brasileira de Cultura Leta. Foi também, de 1997 a 2015, presidente da DAKLA, a Associação Leta da América do Sul e Caribe (sucessora da DLA e DLJA) e participava anualmente das reuniões da PBLA (Associação Mundial dos Letos Livres), onde são discutidas as necessidades de cada comunidade leta fora da Letônia, enfocando principalmente aspectos culturais (uma espécie de “instância superior” para comunidades letas no mundo). 

Reunião da PBLA em 2017. Daina se encontra no meio da segunda fila.

Daina participou da comissão de organização da visita da Presidente da Letônia Vaira Vike-Freiberga a Nova Odessa em 2007, do Primeiro Ministro Valdis Dombrovskis em 2011 e do Ministro da Defesa Raimonds Bergmanis em 2016. Realizou a exposição de fotos “Imigrantes Letos” em 2008 no Memorial do Imigrante, em São Paulo, em comemoração aos 90 anos de Proclamação da República da Letônia. Ainda em 2008 recebeu Diploma e Homenagem do Ministério de Relações Exteriores da Letônia pelo significativo trabalho em prol da República da Letônia. Em 2009 recebeu o título de “Cidadã Novaodessense” da Câmara de Vereadores de Nova Odessa.

Cônsul Daina

Antes de falar sobre o seu trabalho como cônsul, é necessário explicar o que é o cargo de Cônsul Honorário. Sem entrar muito em detalhes jurídicos, um Cônsul Honorário é um cargo 100% voluntário ocupado por cidadãos do país alvo para representar o país de origem. Cônsules Honorários não possuem poder jurídico/diplomático, e normalmente o papel “diplomático” feita por eles é apenas ajuda em questões econômicas para empresas que desejam fazer comércio com o país que representam. Cônsules Honorários não fazem passaportes e não podem dar cidadania à alguém.

O cargo de Cônsul Honorário da Letônia no Brasil, entretanto, é um cargo que veio a encompassar uma importância social e simbólica muito maior – esse Cônsul não só representa mas ajuda toda a comunidade leta no Brasil. Após se aposentar do serviço público em 2013, Daina foi nomeada Cônsul, sendo a segunda a ocupar o cargo após a independência da Letônia em 1991, sucedendo o Dr. João Grimberg.

Convém destacar também que todas as despesas do cargo de Consul Honorário são custeados pelos mesmos, uma vez que o país representado não fornece nenhum subsídio ou remuneração. E há sempre necessidade de deslocamentos, despesas de frete, e mais um número de gastos que exigem atenção e, consequentemente custos. Durante sua gestão ela pôde prestar assistência e auxiliar tanto brasileiros quanto estrangeiros na regularização de documentos e divulgar a Letônia para brasileiros, assim o Brasil para a Letônia.

Além da representação diplomática, Daina continuou participando e apoiando as atividades da PBLA, DAKLA e Associação Brasileira de Cultura Leta, visando preservar e divulgar a cultura leta no Brasil. Daina participa do Coral Leto do Brasil e durante sua gestão, tanto este Coral quanto o Grupo de Dança de Ijuí participaram do Grande Festival da Canção e Danças da Letônia ocorrido em julho de 2018 em Riga.

Daina também foi uma das idealizadoras e executoras do I Festival de Cultura Leta no Brasil, realizado em Novembro de 2018 em Nova Odessa e Americana – SP. Em 2016 recebeu Homenagem do CONSCRE – Conselho Estadual Parlamentar das Comunidades de Raízes e Culturas Estrangeiras na Assembleia Legislativa de São Paulo pelos relevantes serviços prestados à  Comunidade Leta.

Por fim, em em 08 de abril de 2019, por decisão da Comissão Presidencial das mais altas condecorações nacionais concedeu a Daina Gutmanis pelo trabalho relevante realizado para o bem da Letônia a Cruz de Reconhecimento (Atzinibas Krusts), III categoria, sendo ela nomeada Comandante da Ordem da Cruz de Reconhecimento. A cerimônia de condecoração pelo Presidente da Letônia aconteceu dia 3 de maio de 2019.

Daina discursa no Museu Nacional da Letônia, 2019. Logo atrás está o presidente da Letônia Raimond Vejonis e a representante do Ministério da Cultura Jolanta Borīte.

Muito Além de Medalhas (ou O Trabalho de um Cônsul)

Um depoimento pessoal por Andreis Purim

O trabalho de Cônsul Honorário é um pouco ingrato – ou como um amigo uma vez disse: “você dá seu suor e eles pedem seu sangue” – além de ser um cargo sem remuneração, tentar representar quase 25.000 letos no Brasil, espalhados por vários estados, é um trabalho titânico. Infelizmente, a maior parte das pessoas apenas vê o cônsul quando este recebe medalhas, e poucos estão por perto quando este está trabalhando.  Esse artigo, além de informativo, é uma dedicatória à Sra. Daina Gutmanis. 

Se um dia você for a um Līgo em Nova Odessa, não fique surpreso ao ver a Cônsul assando carne nos fundos da barraca de comida.

Daina foi uma das minhas primeiras amigas quando cheguei em Nova Odessa para participar do Līgo 2016. Ela me buscou no aeroporto de Viracopos e me deu carona até o local onde seria realizado o evento. Seria apenas a primeira de muitas  caronas que eu recebi. Quando um evento da Associação acaba, ela – junto com alguns poucos voluntários – fica até o final da organização e ajuda a guardar tudo. No final do festival de Cultura Leta, 2 horas da manhã, haviam apenas 4 pessoas no teatro terminando de empilhar as quase 200 cadeiras de plástico que havia sido alugado para o Coral. Daina era uma delas.

Daina não só dedicou seu suor e trabalho como também transformou sua casa em um consulado. Além de realizar diversos eventos e reuniões, a casa da Daina serviu de cabine eleitoral para as eleições parlamentares da Letônia em 2018 (trabalhamos da 5h da manhã até 20h da noite). Se isso não fosse o suficiente, até seu sofá serviu de cama para uns voluntários de São José dos Campos que perceberam que estava muito tarde para dirigir pela estrada após um Līgo.

Mas certamente, a parte mais difícil do trabalho está sendo cuidar de 33 letos que foram presos no Brasil. A maior parte desses presos são russos étnicos com passaporte da Letônia (alguns nem falam Leto), e se envolveram com o crime organizado e tráfico de drogas após a queda da União Soviética. Esses presos estão em prisões no Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. Sem o trabalho voluntário da Daina – que dirige horas e horas todo mês para ajuda-los a terem representação diplomática – esses presos poderiam acabar sendo recrutados por facções criminosas brasileiras dentro dos presídios, por não terem amparo legal no nosso país. Este tipo de trabalho não rende medalhas, apenas custos e dor de cabeça, mas ela está lá para ajudá-los a se recuperarem.

Desde que a Daina abriu um perfil no Facebook, sua caixa de entrada nunca parou de receber perguntas sobre cidadania, passaporte, documentos e as vezes até conselhos de viagem. Na reunião da DAKLA em 2018 eu precisei de um tradutor em tempo real de leto para minha apresentação, e ela se ofereceu sem hesitar. Ao invés de jantares luxuosos com os figurões, Daina preferiu fazer um lanche no subway com os voluntários do Festival de Cultura Leta.

Após tudo isso, é fácil entender o quão exigente é – fisicamente e mentalmente – o exercício do Consulado. É claro que não quero desmerecer o trabalho de outros voluntários dedicadíssimos da comunidade leta (cada um merece um artigo por si só), mas a Daina realmente é um exemplo de alguém que lutou ao máximo. É uma grande pena ela deixar o cargo – mas cá entre nós – ela também merece um descanso.

Obrigado!