The Latvians in Argentina

On March 1, 2016, I had the pleasure of visiting Buenos Aires, capital of Argentina. The city is beautiful and dynamic where the old European architecture (but well maintained) meets the modern and tall buildings. The population of Argentina is mostly made up of descendants of Spanish colonists and immigrants, and although some street names have indigenous names, there are not many of them. There are not many Afro-descendants, since the “Rio de la Prata” was not an African slavery route. The largest group of immigrants in Argentina was definitely Italians.

The first Latvians that arrived in Argentina were before the First World War for personal reasons. As was the case with Dr. Prof. Karlis Bergs, Researcher in Natural Sciences (botany and zoology), by the sculptor Virginia Krasting Carreño, who arrived in 1912 and aviator Otto Balodis, who arrived in 1927 and who worked as a flight instructor. The first consul consul was Karlis Bergs, from 1927 to 1931.

However, the second wave of immigration was the most important, after the Second World War (1948-1949), during the second government of the Argentine populist president, Juan Domingo Perón, when 89 Letos arrived in warships with another 800 immigrants from Austria and Italy through the Port of Buenos Aires.

The refugees’ first residence was the Hotel dos Imigrantes, in the Boedo region, located near the Port of Buenos Aires (where there was a train station and today is the Immigration Museum in Argentina). Thanks to Father Luis I García, immigrants organized a colony in the city of San Miguel, in the Province of Buenos Aires. The first pieces of land and houses were shared by large groups of families with low financial conditions. Conditions were so poor that the men had to sleep on the ceiling. The construction of the new houses was done in a very supportive way, everyone helped each other, due to the lack of resources. This priest was well liked by the Latvian community for his permanent concern in solving problems, finding land for lodging, work for those in need, teaching the language, etc… Father Garcia helped to found the Congregation of “San Pablo” in San Miguel. The first service with the participation of the Latvians took place on March 27, 1949 and the Latvian artisans helped in the construction of the temple. Padre Garcia managed to find two blocks of land for 38 families, the street where these blocks of land were located is now called “Calle Letônia”. (Latvia Street)

Note: Some photos are compressed in the gallery because they are very large, if you want to see them in full size, click under the photo with the right button and select “open image in new tab”.

For three years, Preacher Garcia helped the families, but there was a need for services to be taught in the Latvian language. In 1951, the Congregation “La Reurrección” was founded. The first preacher of the church was Anroldo Liepins who along with his family, helped for 25 years, the Latvians in Mendonza (Argentina), Santiago (Chile) and Montevideo (Uruguay).

He was rescued from a camp of displaced persons in Europe to take charge of the Congregation in 1952 – La Resurrección. They had Sunday school and traditional orchestrated music taught by pianist Elvira Vitolins de Liepins. In 1953, they founded a parish in Hurlingham, where they started to build a church with the help of Latvian artisans. All the activities of the Congregation were carried out in this new location. From the age of 50 until his death, Preacher Liepins wrote and printed the newsletter “Vests”, bringing information about the activities of the Congregation, using a manual mimeograph. From that moment on, the growth of the Latvian community was rapid. The Latvians found jobs in different areas, according to their training, in carpentry, metallurgy, machinery, electromechanical services, education, domestic services, etc. And many, little by little, built their own workshops and stores. From the 1950s to the 1970s, they focused on making plastic textiles. These activities took the Latvians to the Argentine middle class at a time when industrial activity grew in the country and had many jobs.


The largest organization of Latvians in Argentina was La Asociación de Letones Libres (The Association of Free Latvians) and the Asociación de la Letonia Libre (PBLA – Association of Free Latvia), which still prevail around the church today. For more than 40 years, they practice monthly services, followed by a lunch with the community (a la canasta) where people talk in Latvian and Castilian.

The Congregation of “La Resurrección” is led today by Preacher David Calvo and President Ilgvars Ozols. In the last decades, the number of people who re-apply the activities of the Congregation has decreased to about 20 people. The Congregation celebrates the main holidays, such as November 18th and Christmas, when they gather the largest number of Latvians in Argentina, concentrating more than 70 people and with the participation of musicians. Among the celebrations are the “Day of Christian faith in Latvia” and “Day of deportees from Latvia-Siberia (1941-1949)”.

The relationship between the Latvians in Argentina and those in Latvia began to reestablish itself in 1990, when Soviet merchant ships arrived in Argentine waters to fish and treat squid. The meetings took place at the initiative of some Latvian sailors who sought contact with the Argentines. The meetings, despite the surveillance of the Soviet police, were very emotional. This happened when direct contact was reestablished and was broken for decades. The sailors participated in various social and family events during their stay. However, with the end of the USSR, there were huge corruption deals made by former Soviet regime officials and the Russian mafia linked to Argentina, which ended the fishing fleet, leaving the sailors / fishermen in the Port of Buenos Aires without resources to survival. In 1991, the New Republic of Latvia promoted Adolfo Bruziks as the first Honorary Consul of Latvia in Argentina. He, who was born in Latvia, took responsibility and risked many of his personal belongings by resolving the problem of repatriation of sailors. The Congregation still has contact with some of them and their families.

Shortly after Bruziks’ appointment, Mirdza Resbergs was appointed and began to deal with issues more appropriate for an Honorary Consul, such as the issue of passports for the first immigrants and their descendants, in such a way that more than 40 passports from Latvia were issued – people who participated in parliamentary elections in the 1990s. Since 1991, many Latvian natives have traveled from Latvia to visit their relatives, generations born during exile, and to recognize what was once their property.

The Latvian Honorary Consulate in Argentina has been in existence since 2013 and is currently located in a building of lawyers. Dr. Andrés Ozols (Social Coordinator) works there, whom I had the pleasure of meeting in Buenos Aires and who also works for the Chamber of Commerce and Industry of the Río de la Plata and Riga. Consul Hector Días Bastien lives in Spain and visits Argentina periodically to discuss issues related to the Latvian community in Argentina. Bastíen’s work becomes difficult when it comes to legal issues, such as the case of the 20 Latvians arrested for drug trafficking, partnerships between the administration of the ports in Latvia, the issuance of temporary visas, the development and renewal of passports, the issuance of citizenship, commercial exchange between countries and representation at diplomatic events. He has the help of Mercedes Benegas de Homblerg.

Dr. Ozols was kind and gave me a few hours to answer some questions I had about the Latvians in Argentina. He also gave me a book written by his father Ilgvars Ozols, “Latviesi Argentina, Cile um Urugvaja” (2001), which describes how the process of Latvian immigration happened in these countries and some copies of the newsletter “Vests”, also written by Ilgvars, continuing the work of Preacher Liepins.

In November 2015, the Latvian Citizenship and Migration Affairs Office issued 47 passports to Latvians and their descendants in Argentina. See the images below:

The older Latvians, who live in Argentina, are committed to maintaining the Latvian tradition, but they worry that the new generation of Latvian-Argentineans is not very interested in culture and language and, besides, it is difficult to take them to events of the Congregation. Dr. Ozols, who is also a member of the Biomaterials Group at the “Facultad de Ingenieria de la Universidad de Buenos Aires”, has been working to try to change this situation. He has cooperated to improve student exchange programs between the Universities of Buenos Aires and RTU in Riga, mainly in the field of Biomaterials, but he has a desire to extend this program to other areas of study.

As a member of the Rio de La Plata Chamber of Commerce (contemplates Argentina, Uruguay and Paraguay) and Riga, Dr. Ozols also works to sign science and technology agreements between countries. He has a desire to use the Port of Riga as a bridge for agricultural products from South America to Europe, with joint administration between the Ports of Riga and the Port of Corrientes. Consul Hector Bastien will be in Argentina in April to discuss this issue.

Written by André Kavalieris

As relações entre os Letos da Argentina e o Brasil

Among the many communities of Latvians around the world, the Argentine and Brazilian communities have always had a very fraternal relationship. It is not known for sure when the first Latvian families arrived in Argentina but it was in the same period of arrival in Brazil.


The cultural contact between the two communities began in 1892, when several latvian families from Rio Novo (Grimm, Berg, Keidann, Sala and others) settled in the so-called “Line 11” of Ijuí (RS), near the Argentine border. Meanwhile, the Akeldans, Kudis, Krombergs, Ulrikis, Mikelson and Priedes families came from Argentina and settled between Lines 4, 5 and 6 on the west side of the center of Ijuí, and the Zakis and Paise family settled between Line 7 and 8 on the east side of the city center.


In Ijuí, the culture between Latvian Baptists (from Rio Novo) and Latvian Lutherans (from Argentina) began to mix. In 1899, Pastor J. Inkis visited Brazil and in Ijuí he formally unified the two churches, the cemeteries, and created the city’s postal system. Together with the German Lutherans in the region, the first school was founded with professor André Gailis, who worked as a teacher in Argentina and whose father lived in the colony of Rio Oratório (a sub-colony of Rio Novo).

Gradually, some latvian families from Brazil also moved to Argentina. Among them were the Match family and the Leimann family, in 1922. From the Leimann family came several Baptist pastors who – having studied at the seminary and worked in Argentina – returned to Brazil.

These families settled in Urdinarrain (Entre Rios), Rufino F. and P. (Santa Fé), Buenos Aires. It is possible to find the descendants of these families living in Brazil and Argentina. Few feel connected to the Latvian community and Latvia, but some maintain correspondence with relatives in Brazil.

Throughout the early twentieth century, contact with these so-called “old latvians” in Argentina was lost, and for several decades community relations in both countries were forgotten.

On April 16 and 17, 1977, a DALA (Dienvidamerikas Latviešu Apvienības) congress took place in São Paulo. This congress renewed the contact of the Latvians from Brazil with the new generations of Latvians from Argentina – who had emigrated in the post-war period. Today the contact has weakened again due to the economic difficulties of holding meetings in Argentina or Brazil, but in 2018 the representative of the Latvians of Argentina, Anita Zalts, was with us at the 1st Festival of Latvian Culture.

The cultural contact and diversity between our two communities is something unique and peculiar and that with these two small articles we aim to preserve for the following generations.

Written by Andreis Purim

The “Calle Letonia”, in Buenos Aires

Os Letos na Argentina

No dia 1º de março de 2016, eu tive o prazer de visitar Buenos Aires, capital da Argentina. A cidade é linda e dinâmica onde a antiga arquitetura europeia (mas bem cuidada) se encontra os modernos e altos edifícios. A população da Argentina é, em sua maioria, constituída por descendentes dos colonizadores espanhóis e por imigrantes e, embora alguns nomes de ruas tenham nomes de indígenas, não há muitos deles. Não há muitos afro-descendentes, já que o “Rio da Prata” não era uma rota da escravidão africana. O maior grupo de imigrantes na Argentina foi, definitivamente, os italianos.

Os primeiros letos que chegaram na Argentina foi antes da Primeira Guerra Mundial por razões pessoais. Como foi o caso do Dr. Prof. Karlis Bergs, Investigador de Ciências Naturais (botânica e zoologia), da esctitora Virginia Krasting Carreño, que chegou em 1912 e do aviador Otto Balodia, que chegou em 1927 e que trabalhou como instrutor de vôo. O primeiro cônsul leto foi Karlis Bergs, de 1927 a 1931.

Porém, a segunda onda de imigração foi a mais importante, depois da Segunda Guerra Mundial (1948- 1949), durante o segundo governo do presidente populista argentino, Juan Domingo Perón, quando 89 letos chegaram em navios de guerra junto a outros 800 imigrantes da Áustria e Itália através do Porto de Buenos Aires.

A primeira residência dos refugiados foi o Hotel dos Imigrantes, na região de Boedo, localizado perto do Porto de Buenos Aires (onde havia uma estação de trem e hoje é o Museu da Imigração na Argentina). Graças ao Padre Luis I García, os imigrantes organizaram uma colônia na cidade de San Miguel, da Província de Buenos Aires. Os primeiros pedaços de terra e casas foram compartilhados por grandes grupos de famílias de baixas condições financeiras. As condições eram tão baixas que os homens tinham que dormir no teto. A construção das novas casas era feita de uma maneira muito solidária, todos se ajudavam, devido à falta de recursos. Este padre era bem quisto pela comunidade leta por sua preocupação permanente em resolver problemas, encontrar terra para hospedagem, trabalho para quem necessitava, ensinar a língua, etc. Padre Garcia ajudou a fundar a Congregação de “San Pablo” em San Miguel. O primeiro culto com a participação dos letos aconteceu dia 27 de março de 1949 e os artesãos letos ajudaram na construção do templo. Padre Garcia conseguiu encontrar dois blocos de terra para 38 famílias, a rua onde esses blocos de terra estavam localizados é agora chamada “Calle Letônia”.

Nota: Algumas fotos estão comprimidas na galeria pois são muito grandes, se você deseja vê-las em tamanho completo, clique sob a foto com o botão direito e selecione “abrir imagem em nova guia”.

Durante três anos, o Pregador Garcia ajudou as famílias, mas havia necessidade dos cultos serem ministrados na língua leta. Em 1951, foi fundada a Congregação “La Reurrección”. O primeiro pregador da igreja foi Anroldo Liepins que junto a sua família, auxiliou durante 25 anos, os letos em Mendonza (Argentina), Santiago (Chile) e Montevidéu (Uruguai).

Ele foi resgatado de um campo de pessoas deslocadas na Europa para se encarregar da Congregação em 1952 – La Resurrección. Eles tinham escola dominical e músicas tradicionais orquestradas ministrada pela pianista Elvira Vitolins de Liepins. Em 1953, eles fundaram uma paróquia em Hurlingham, onde começaram a construir uma igreja com a ajuda dos artesãos letos. Todas as atividades da Congregação foram realizadas neste novo local. Desde seus 50 anos até a sua morte, o Pregador Liepins escreveu e imprimiu o boletim informativo “Vests”, trazendo informações sobre as atividades da Congregação, usando um mimeógrafo manual. Deste momento em diante, o crescimento da comunidade leta foi rápido. Os letos acharam trabalhos em diferentes áreas, de acordo com a formação deles, em oficinas de carpintaria, metalurgia, máquinas, serviços eletromecânicos, ensino, serviços domésticos, etc. E, muitos construíram, pouco a pouco, suas próprias oficinas e lojas. Dos anos 50 aos anos 70, eles se concentraram na confecção de têxteis plásticos. Estas atividades levaram os letos à classe média argentina em um período que a atividade industrial cresceu no país e tinha muitos trabalhos.

A maior organização dos letos na Argentina foi a La Asociación de Letones Libres (A Associação dos Letos Livres) e a Asociación de la Letonia Libre (PBLA – Associação da Letônia Livre), que prevalecem até hoje em torno da igreja. Por mais de 40 anos, eles praticam serviços mensais, seguidos de um almoço com a comunidade (a la canasta) onde as pessoas conversam em leto e castelhano.

A Congregação de “La Resurrección” é conduzida hoje pelo Pregador David Calvo e pelo Presidente Ilgvars Ozols. Nas últimas décadas, o número de pessoas que requentam as atividades da Congregação diminuiu para cerca de 20 pessoas. A Congregação celebra os principais feriados, como o dia 18 de novembro e o Natal, quando eles reúnem o maior número de letos na Argentina, concentrando mais de 70 pessoas e com a participação de músicos. Entre as celebrações estão o “Dia da fé cristã da Letônia” e o “Dia dos deportados da Letônia-Sibéria (1941-1949)”.

A relação entre os letos da Argentina com os da Letônia começou a se restabelecer em 1990, quando os navios mercantes soviéticos chegaram às águas argentinas para pescar e tratar lulas. As reuniões aconteceram pela iniciativa de alguns letos marinheiros que procuravam contato com os argentinos. As reuniões, apesar da vigilância da polícia soviética, eram muito emocionadas. Isso aconteceu quando foi restabelecido um contato direto que foi quebrado por décadas. Os marinheiros participaram de vários eventos sociais e familiares durante a sua estadia. Porém, com o fim da URSS, houve enormes acordos de corrupções feitos por ex-funcionários do regime soviético e da máfia russa ligada à Argentina, que acabou com a frota de pesca, deixando os marinheiros / pescadores no Porto de Buenos Aires sem recursos para sobrevivência. No ano de 1991, a Nova República da Letônia promoveu Adolfo Bruziks como o primeiro Cônsul Honorário da Letônia na Argentina. Ele, que nasceu na Letônia, assumiu a responsabilidade e arriscou muitos de seus pertences pessoais ao nomear e resolver o problema da repatriação dos marinheiros. A Congregação ainda tem contato com alguns deles e seus familiares.

Logo depois da nomeação de Bruziks, Mirdza Resbergs foi nomeada e começou a lidar com questões mais apropriadas para um Cônsul Honorário, como a emissão de passaportes para os primeiros imigrantes e seus descendentes, de tal forma que foram emitidos mais de 40 passaportes da Letônia – pessoas que participaram das eleições parlamentares nos anos 90. Desde 1991, muitos letos nativos viajaram da Letônia para visitar seus parentes, as gerações nascidas durante o exílio e para reconhecer o que antes era propriedade deles.

O Consulado Honorário da Letônia na Argentina existe desde 2013 e, atualmente, está localizado em um edifício de advogados. Lá trabalha o Dr. Andrés Ozols (Coordenador Social), que eu tive o prazer de conhecer em Buenos Aires e que também trabalha para a Câmara do Comércio e Indústrio do Río de la Plata e Riga. O Cônsul Hector Días Bastien vive na Espanha e visita a Argentina periodicamente para discutir questões ligadas à comunidade leta na Argentina. O trabalho de Bastíen se torna difícil quando se trata de questões legais, como o caso dos 20 letos presos por tráfico de drogas, as parcerias entre a administração dos portos na Letônia, a emissão de vistos temporários, desenvolvimento e renovação de passaportes, emissão de cidadania, intercâmbio comercial entre os países e a representação em eventos diplomáticos. Ele conta com a ajuda de Mercedes Benegas de Homblerg.

O Dr. Ozols foi gentil e me cedeu algumas horas respondendo umas perguntas que eu tinha sobre os letos na Argentina. Ele também me deu um livro escrito pelo pai dele Ilgvars Ozols, “Latviesi Argentina, Cile um Urugvaja” (2001), que descreve como o processo da imigração leta aconteceu nestes países e algumas cópias do boletim “Vests”, também escrito por Ilgvars, continuando o trabalho do Pregador Liepins.

Em novembro de 2015, o Escritório de Assuntos de Cidadania e Migração da Letônia emitiu 47 passaportes para os letos e seus descendentes na Argentina. Veja as imagens abaixo:

Os letos mais velhos, que vivem na Argentina, estão comprometidos em manter a tradição leta, mas eles se preocupam que a nova geração Argentina-Leta não se interesse muito pela cultura e a língua e, além disso, é difícil levá-los para eventos da Congregação. Dr. Ozols, que é também um membro do Grupo de Biomateriais da “Facultad de Ingenieria de la Universidad de Buenos Aires”, tem trabalhado para tentar mudar essa situação. Ele tem cooperado para melhorar os programas de intercâmbio de estudantes entre as Universidade de Buenos Aires e RTU em Riga, principalmente no campo dos Biomateriais, mas tem um desejo de estender este programa para outras áreas de estudo.

Como um membro da Câmara do Comércio do Rio de La Plata (contempla Argentina, Uruguai e o Paraguai) e Riga, Dr. Ozols também trabalha para firmar os acordos de ciência e tecnologia entre os países. Tem um desejo de usar o Porto de Riga como uma ponte para produtos agrícolas da América do Sul para a Europa, com administração conjunta entre os Portos de Riga e o Porto de Corrientes. O Cônsul Hector Bastien estará na Argentina em abril para discutir esta questão.

Escrito por André Kavalieris

As relações entre os Letos da Argentina e o Brasil

Dentre as muitas comunidades de letos espalhados pelo mundo, a comunidade argentina e brasileira sempre tiveram uma relação fraternal muito grande. Não se sabe ao certo quando as primeiras famílias letas chegaram na Argentina mas foi no mesmo período da chegada no Brasil.

O contato cultural entre as duas comunidades começou em 1892, quando várias famílias letas de Rio Novo (Grimm, Berg, Keidann, Sala e outras)  se instalaram em na chamada “Linha 11” de Ijuí (RS), perto da fronteira Argentina. Enquanto isso, as famílias Akeldans, Kudis, Krombergs, Ulrikis, Mikelson e Priedes vieram da Argentina e se instalaram entre as Linhas 4, 5 e 6 do lado oeste do centro da pequena vila de Ijuí, e o a família Zakis e Paise se instalaram entre as Linha 7 e 8 no lado leste do centro da cidade.

Em Ijuí, os batistas letos (vindos de Rio Novo) e luteranos letos (vindos da Argentina) começaram a se mesclar. Em 1899, o pastor J. Inkis visitou o Brasil e em Ijuí ele formalmente unificou as duas igrejas, os cemitérios, e criou o sistema de correios da cidade. Em conjunto com os luteranos alemães da região, a primeira escola foi fundada com o professor André Gailis, que trabalhava como professor na Argentina e cujo pai morava na colônia de Rio Oratório (uma sub-colônia de Rio Novo). 

Aos poucos, famílias letas do Brasil também se mudaram para a Argentina. Entre elas estavam a família Match e a família Leimann, em 1922. Da família Leimann vieram vários pastores batistas que – tendo estudado no seminário e trabalhado na Argentina – voltaram para o Brasil. 

Essas famílias se instalaram em Urdinarrain (Entre Rios), Rufino F. e P. (Santa Fé), Buenos Aires. É possível achar os descendentes dessas famílias morando no Brasil e na Argentina. Poucos sentem conexão com a comunidade leta e a Letônia, mas alguns mantém correspondência com os parentes no Brasil.

Ao longo do começo do século XX, o contato com esses chamados “velhos letos” da Argentina se perdeu, e por várias décadas as relações das comunidades nos dois países foram esquecidas.

Nos dias 16 e 17 de Abril de 1977, um congresso da DALA (Dienvidamerikas Latviešu apvienības – Associação dos Letos da América do Sul) ocorreu em São Paulo. Esse congresso renovou o contato dos Letos do Brasil com as novas gerações de letos da Argentina – que haviam emigrado no pós-guerra. Hoje o contato voltou a enfraquecer por causa das dificuldades econômicas de realizar encontros na Argentina ou Brasil, mas em 2018 a representante dos letos da Argentina, Anita Zalts, esteve conosco no 1º Festival de Cultura Leta.

O contato cultural e diversidade entre nossas duas comunidades é algo único e peculiar e que com esses dois pequenos artigos visamos preservar para as gerações seguintes.

Escrito por Andreis Purim

A Calle Letonia, em Buenos Aires

Gafanhotos!

Gafanhotos e as mudanças nas colônias no início do séc. 20

2020 está sendo um ano um tanto absurdo. Um ciclone na região sul do Brasil acaba de impedir, temporariamente, a chegada de um enxame de Gafanhotos que destruiu a Argentina. No artigo passado, relatamos como a pandemia que enfrentamos hoje não é muito diferente do que letos no Brasil vivenciaram em 1918. A gripe espanhola, no entanto, era apenas o menor dos inimigos da década: no ano anterior, a chegada de hordas de gafanhotos – que perduraria por vários anos – escureceu os céus e destruiu plantações.

Para os imigrantes que deixaram o velho continente para fazer a vida no Brasil, a agricultura era tudo. Sua sobrevivência, sua forma de vida. Plantações destruídas em um ano difícil poderia significar fome para famílias. E nenhum inimigo era tão vil quanto o gafanhoto.

Lizete Roze, em carta à seu filho.

Estamos passando bem e todos com saúde. Somente as plantações não querem crescer, por causa da seca e completa falta de chuvas. O tempo está ainda bastante frio. A última chuva foi no dia 16 de outubro, e ainda ontem deu geada nas baixadas. O vento seco e frio sopra o dia inteiro, e se por acaso ainda cheguem os gafanhotos, aí será a fome.

Neste artigo, estaremos novamente olhando o acervo das cartas de Rio Novo. Em razão da vasta quantidade de cartas, o link para as cartas originais estão nas descrições. O enxame causava espanto nos colonos. Alguns, como Arthur Leiman, chegaram a chama-los de “pequenos demônios”, mas logo eles receberam um apelido mais carinhoso: “Os visitantes da argentina”.

O nome científico do gafanhoto migratório sul-americano é Schistocerca cancellata. Proveniente do chaco argentino, a ausência de predadores e invernos quentes causam a população a sair do controle. Entretanto, o ano de 1917 viu uma praga de proporções bíblicas, atingindo as colônias letas de Ijuí e Rio Novo:

Olga Purim, em cartas à seu irmão em Outubro e Novembro de 1917.

A propriedade dos Klavim está infestada de gafanhotos: uma quantidade imensa, chegando, devido ao peso, a quebrar os galhos das árvores.

Na semana passada passou uma nuvem de gafanhotos, mas não pousaram. Os serranos contam que nas serras tem muitos gafanhotos, mas não começaram a descer. Em Mãe Luzia os gafanhotos são tantos que é um horror, formam uma camada grossa e puseram ovos. Os Klava escreveram para o Rio Novo consultando se há possibilidade deles trazerem o gado, pois lá não tem mais o que comer e é possível que morram de fome.

Emílio Anderman, em seu diário pessoal de 1917 e 1919.

Em outubro começaram a chegar, em revoada, os gafanhotos. O povo do local ficou muito preocupado. Alguns araram os campos para enterrá-los, mas apesar destes esforços, um mês depois, eles já nasceram sabendo saltar e tinham tamanho de uma mosca. Eles ficavam em bandos e se deslocavam de um lado para o outro e aonde chegavam comiam tudo que era vegetal. Iniciou-se uma dura luta contra eles; cavavam-se valos e quando eles lá chegavam, cobríamos com terra. Aspergíamos os gafanhotos com água fervente, batíamos com vassouras, mas apesar deste esforço muitos vingaram e se tornaram adultos. 

Outra vez chegaram nuvens de gafanhotos que destruíram os nossos pastos e ficaram pulando em procura de um lugar para desova.

Durante a noite eu acendia fogueiras cuja luz os atraia e as chamas queimavam; como também cerquei as lavouras de velas para impedir o seu progresso. 

Imigrante afastando a nuvem de gafanhotos. C´reditos: Unijui

Robert Klavin, para Reynaldo Purim, em duas cartas: Novembro e Outubro de 1917

Provavelmente já tens notícia através de jornais de que na Província do Rio Grande do Sul foram literalmente destruídas diversas colônias, inclusive Ijuí e suas adjacências. A quantidade de gafanhotos seria tanta que o tráfego ferroviário estaria interrompido nas serras daquela província; aqui nas serras a espessura das camadas de gafanhotos seria mais de um metro, diante do que os serranos com suas tropas não conseguiriam prosseguir, etc…

Na semana do dia 23 de outubro começaram as primeiras revoadas. (…) Eles devoraram grande parte do milharal e seis litros de feijão plantado; ainda bem que sobrou a maior parte, pois muita gente perdeu tudo.

No domingo, último dia de outubro, eu ia para o Rio Laranjeiras, passando pelo baixo Rio Novo, quando passaram nuvens de gafanhotos atravessando o rio. Quando cheguei na terra dos Paegles tinha ainda mais, e naquele trecho do lado do mato tinham pousado e estavam se aprontando para por ovos. (…) A grama dos pastos já não mais existe, e coitado do gado que não tem mais nada para comer: permanece imóvel.

Os brasileiros contaram que em Capivaras também lá passaram imensas nuvens de gafanhotos e pousaram e puseram ovos; quando o chão é cavado com uma enxada pode-se ver uma quantidade imensa de ovos, então calcule o estrago que vão fazer quando eclodirem em milhares de novos gafanhotos.

[Sobre a chegada] segundo eles foi assustadora, devido à imensidão das nuvens de gafanhotos, comparável a uma tempestade assoladora que fez escurecer os céus e a terra. O pessoal de lá usou de tudo para tentar espantar e fazer que continuassem sua rota, e acham que conseguiram algum resultado.

Perto de Campinas [Nota: Araranguá] grande quantidade destes bichos, ao voarem para o mar, terminaram por se afogar; agora os pescadores não podem mais ir pescar, pois se atolam até a cintura na camada de gafanhotos mortos que o mar devolve para as praias. Também temos notícias de Florianópólis, de que lá a quantidade de gafanhotos afogados foi tanta que o mar devolveu para as praias, chegando a uma camada de dois metros e meio de altura…

Ontem apareceu uma nuvem branca que se deslocava para os lados do Rio Pequeno e ia se afastando das serras, e não era outra coisa senão outra nuvem deles. O que mais pode acontecer só Deus sabe. 

Tem muita gente contando que os gafanhotos estão atacando a região de Minadouro. Dizem que são tantos que formam grossas camadas. Aqui eles também passam, mas voando alto e não pousam; isso acontece quase todos os dias.

Olga Purim, em carta à seu irmão em Dezembro de 1917.  Seu irmão mais novo também fala sobre os gafanhotos em outra carta.

Este ano foi um ano cheio de tragédias. No começo de ano as enchentes, depois as grandes geadas, a neve, os gafanhotos, um mês e meio de seca imensa e depois, para completar, o fogo.

Perto de Orleans apareceram novamente gafanhotos, também em Rio Laranjeiras, Rio Belo e Braço do Norte. Perto de Orleans tive oportunidade de ver uma nuvem deles, as beiras das estradas tão cheias que chegavam a chiar; ainda bem que não estão em toda a parte. Onde eles estão eles comem tudo e começam pôr ovos. O governo determinou que as pessoas não atingidas fossem trabalhar dois dias, pelos menos, matando os filhotes; nas roças tudo fácil, mas nos matos e nas capoeiras nada havia o que fazer. Se os que sobrarem subirem o Rio Novo, vão comer tudo. Para baixo de Orleans falam que tem muito mais, que na estrada de ferro não se consegue enxergar os trilhos.

Gazeta do Commercio, de 03/11/1917, instruindo os colonos no combate à praga. Créditos: Jornal Retrô

Certamente 1917 foi o ano mais assustador para os imigrantes. Para muitos, que nunca haviam experimentado uma catástrofe natural tamanha em sua terra natal, os gafanhotos eram quase um sinal apocalíptico. O combate teve sucesso devido ao trabalho dos colonos e da ação governamental. Porém, enxames de gafanhotos ainda assolariam as colônias nos anos seguintes, até o final da década de 40.

Olga Purim, em cartas de Junho, Agosto e Outubro de 1918, e uma de Abril de 1919

Ainda uma novidade: no dia 6 de junho, logo depois do meio dia, do lado do morro do Grikis, começaram vir gafanhotos, mas numa quantidade imensa como nunca tinha visto antes. Perto da nossa casa eles não pousaram; todos seguiram em direção do morro do Leepkaln.

Era uma nuvem tão densa que escureceu o sol e um ruído com fosse um prenúncio de uma tempestade. Começaram a surgir às 13h30 e terminaram de passar às 15h00;

Este ano tivemos visitas da Argentina [gafanhotos]; aqui em nosso terreno poucos tem aparecido, mas lá nos Klavin e nos Leimann passaram imensas nuvens.

No início deste ano nós trabalhamos muito na erradicação dos gafanhotos. Nós todos tivemos a oportunidade de ver uma quantidade imensa desses insetos. Quando passavam provocavam um ronco surdo como uma tempestade, e chegavam a fazer sombra como fazem as nuvens: nem a luz do sol podia ser vista. 

De uma certa forma, os gafanhotos de 1917 representam uma mudança na colonização leta do Brasil. E o início do seu declínio. As terras que os imigrantes haviam comprado do governo brasileiro eram pedregosas, arenosas e distantes da civilização. Ao final da década de 30 se tornou claro que as colônias letas não eram propícias para mecanização. Fatores como calor tropical e chuvas inconstantes, além das pragas, causaram um declínio brutal na atividade agrícola.

Quando olhamos para a história, podemos entender por que colônias como Rio Novo desapareceram, e outras como Varpa, nunca se tornaram cidades. A praga de gafanhotos, que assolaria as colônias por décadas seguintes, forçou muitos a migrarem para espaços urbanos, aos poucos dispersando os letos pelas terras brasileiras.

Emílo Anderman, em seu diário pessoal de 1920

 

Os gafanhotos também devoraram tudo do pasto e da lavoura, e sobre a atividade agrícola não depositava mais nenhuma esperança e eu estava cansado de insistir.

 

Outra onda de gafanhotos atacando a colônia de Ijuí, em 1933. C´reditos: Unijui

Foto de Capa: Ijuí memória virtual
Autor: Andreis Purim