The History of the Latvians in Urubici

Urubici today is on the list of best tourist destinations in Brazil. The small town, encrusted in the hills that form the mountain range of Santa Catarina, is known for its cold climate and beautiful natural landscapes. In the last decade the city has grown dramatically due to tourism, but most Brazilians or Latvians do not know the impact of Latvian immigration in the region.

The following article is an extract from the visit of the German-Brazilian historian and architect Angelina Wittmann. The full article can be read here (in Portuguese)

Latvians were one of the first to arrive in the region and estabilish the city, togheter with a few german and italian immigrants. In the pictures (ceded by Arvids Puriņš) we can see a little about Latvian life in Urubici.


After visiting Urubici in January 2015 – a city in the mountain range of Santa Catarina that received several ethnic groups from other regions of Brazil and Europe, we will tell you a little about one of the cultures that contributed to the development of this region, at least, in the last six decades. For a good observer, it is enough to take a closer look at the landscape, and realize that there is still the presence of this cultural heritage that was part of the formation and history of Urubici – the cultural presence of the Latvians.

The Latvians of Urubici, which besides being part of the city’s history and present, until the present day, have not lost contact with the larger group that immigrated to Brazil and also, with Latvia, its country of origin.

These immigrants did not come directly to Urubici. After disembarking at the port of Laguna, they settled in Orleans and surroundings in the south of Santa Catarina.
 
Before, however, in 1888, two young pastors, a Lutheran pastor and another doctor of philosophy and Baptist pastor: Karlis Balodis and Peteris Salitis, respectively, visited the State of Santa Catarina and European immigrant colonies in the city of Grão-Pará and Orleans. They were interested in knowing more about immigration and the advantages offered by the Brazilian government. When they returned to Latvia, they founded an Immigration Company to promote the emigration of lethal families to Brazil and, specifically, to the State of Santa Catarina.
 
In April 1890, 25 families led by Pastor Karlis Balodis embarked in Riga, the capital of Latvia, on their way to Brazil. After stopping in Germany, they arrived in Brazil – at the Port of Laguna, where they received the amount promised to cover travel expenses and 480 thousand m² of land. The land should be paid for with the production of crops and livestock. From Laguna, the families were taken to the city of Orleans, where the first colony of Latvians in Brazil was founded – on the banks of the Rio Novo and also called the Colony Rio Novo. The absence of primary infrastructure, the need to cut down the forest to rent the main equipment of a colony, made many of these first families seek other places with urbanity, leaving only 4 families of this first wave. But, later, as many families arrived, in other groups of Latvian immigrants to the region and settled in the colony.
 
As we have already mentioned, social, political and economic movements took place in the first decades of the 20th century, in Europe. Latvia was under the rule of the Russian empire and many were banned from practicing their religion. With this, some decided to flee religious persecution and emigrated to Brazil. The first Latvian Church, and one of the first Baptist churches in Brazil, was founded in Rio Novo – 1892.
 
The religion of Latvian immigrants was largely responsible for maintaining the group’s cultural hegemony in Brazil. It was important for the cohesion of immigrants, who suffered persecution, not only by the Russians – in Europe, but also on Brazilian soil, by Catholics from Orleans and later, in Urubici.
 
The old ones telll us that around 1920, not satisfied with the hot climate, very different from their homeland, the conditions and plans of the colonies, a group of Latvians decided to visit the Santa Catarina mountain range through the slopes of the Serra Geral. The climate of the mountains was similar to that of the native land and thus they could grow apples and wheat. They say that they went up through Serra do Engenheiro and along the Bispo river, between Morro da Igreja and Serra do Corvo Branco – current SC 350 highway, arriving in the District of Esquina.

The near 1km of mountain range formed an semi-impenetrable barrier for the colonists in the early 20th century. In 1970, the roads of Serra do Corvo Branco and Rio do Rastro had already been opened.

During the first half of the 20th century arrived more than 50 descendant families or Latvian immigrants. Some families, such as: Andermanis, Auras, Elberts, Feldmanis, Freibergis, Frišenbruders, Karkle, Karklings, Klava, Klaviņš, Lanka, Liepkalns, Legsdins, Leimanis, Paegle, Salits, Zēbergs, Slengmanis, Karklis, Ungurs, Linde, Ozols, Feldsberg, Maisiņš, Zalits, Karps, Grikis, Bruvers, Bumbiers, Očins, among others. The origin of most of these families in Latvia was from the capital of the country – Riga and the city of Ventspils –  a port city located in the Baltic.
 
Upon their arrival, the Latvian families acquired the land at the crossroads that arrive in Urubici, near the Canoas River. This crossroads (called “Esquina”, or Corner) is now a neighborhood in the city. More than 3 km were acquired along the street that connects Esquina towards Santa Terezinha. Currently, properties with descendants of the same families can still be found.
 
Many families who arrived at the end of the first half of the 20th century, also came from lethal colonies in the State of São Paulo, such as the Lanka family, and also immigrants directly from Latvia, such as the Ozols Family, who arrived in the city in 1930, São from the village of Sloka, current district of Jūrmala.
 
 

The climate in Urubici is very reminiscent of Latvia’s climate. With cold winters and snow. Here we can see some Latvians enjoying the blizzard that hit the region.

Until they built their Baptist Church, the Latvians met in a room provided by the Karps Family, who later donated the land to build it, in the form of joint efforts and donations. In the finishings of the church they had help from the Pentecostal Latvians, some skilled carpenters. Records say that in this period Pentecostal families converted to the Baptist Church, as well as the other way around. They lived in harmony, until the moment that Pentecostal pastors went to preach in the Baptist Church, creating a malaise that interfered in the good relations between the two churches. As the Baptist Church had not been registered as its heritage, it was appropriated by those who helped to build and donated the land – Pentecostal Church. The fact accelerated the steps to build the second church, now belonging to the Baptist Church Leta de Urubici, which is part of the city’s landscape to the present day and we visited this February.
 
Currently, the Baptist churches of Brazil maintain a tradition that has been going on since the middle of the 20th century. It promotes meetings of descendants and Latvians spread throughout the country in a great moment of harmony and prayer. In 2015, the event took place in the city of Urubici in July. Valdis Frišenbruders commented during his testimony, recorded and posted in this research. [A later article will touch on this subject]
 
We visited the Family of Ziedonis Frišenbruders and also, we talked with Valdis and João (Jahnis), his children. Patriarch Krišs Frišenbruders (Name is different due to errors during registrations in Brazil) and family, arrived in Urubici in 1931 from the Colony Rio Novo. Krišs was the father of Ziedonis and grandfather of João and Valdis. In the middle of our conversation, it was reminded again, that Latvia was the domain of the Germans, Russians and Poles.
 
Ziedonis told us that his grandfather, Juris, wrote to his family – nephews, who could come to Brazil without fear. He described a food from the land that “could be eaten and resembled saw dust and the shape of a candle”, referring to cassava. He also mentioned that wheat was plentiful. Ziedonis’ great uncle came to visit, and for political reasons he couldn’t leave Latvia. When they were able to leave the country, he sold everything and with his family, at first, they went to live in São Paulo, to work in the coffee plantations.

The Frišenbruders family in Urubici.

João Frišenbruders commented that the Latvians as well as farmers were excellent carpenters and many of the historical typologies present in the city are the result of his work, such as the typology of window with guillotine leaves and with certain designs from the layout of the panes.
 
João is a teacher of the Latvian language, for anyone who wants to learn and says it is very difficult. According to him, there are words that are written the same, but according to their placement in a sentence – which one is inserted, changes its pronunciation
 
It is very good to know that there is concrete, voluntary work, based on awareness of its importance for the longevity of this part of history, not only in the city of Urubici, Santa Catarina, but in the history of a people, who keep their identity even far away from their homeland.
 
Urubici’s first hotel was founded by the Andermanis Family, also known to the oldest in the city for the sweets they made and sold in the café and bakery.
 
We talked to Emils Andermanis’ grandson – Artus Andermanis. Emils was the founder of Hotel Andermann, the bakery and the sale located on the corner. The family arrived in Brazil in 1918. Emílio was 18 years old and his father no longer wanted to participate in the war and brought the family to Brazil. Artus commented to us that his father was disgusted with many [brazilians], that due to lack of knowledge, who harassed them, because they thought they were Russian communists. They owned amateur radio equipment and communicated with Latvia, at the time already under Soviet domination, which raised suspicions among people who were unaware that many of the Latvians came to Brazil to escape authoritarianism and domination, first from the Russian empire and after the Soviet.

The Andermanis Hotel and Bakery.

The Andermanns, very much related to their country of origin, received magazines and this was enough to raise suspicions. They spoke Latvian, German and Russian fluently.

Artus, told us that they intend to dismantle the building of the old Hotel Andermanis built by Emílio, which we regret, as it is part of the history of the Latvians of Urubici, part of the history of Urubici and Santa Catarina.

We also visited the Urubici Baptist Church and talked to the Pastor. The church is the same built by the first Latvians who arrived in the city in the first half of the 20th century and is located at Rua Adolfo Konder, N ° 2023.
 
The Urubici Baptist Church was founded on August 25, 1934, under the coordination of Pastor Karlis Strobergs and deacon Osvalds Aurass. At the time, the community had 40 members and was the 19th Latvian Batista Church in Brazil. There were also immigrants and descendants of Latvians who were Pentecostals (Assembly of God). The building of the church that still exists today, with some characteristics, was inaugurated on August 25, 1940.
 
Social and religious activities in the church are intense, ranging from prayer groups and singing. The singing groups are accompanied by musical instruments. The Pastor introduced us to some historic musical instruments, guarded with zeal, which were brought by the pioneers.
 
From history, culture, tradition, religion, language, we know a little more, from the scale of community. We learned a little more about part of the History of Santa Catarina. History that also received contributions from the Latvians. Our gratitude to everyone who, directly and indirectly, contributed to this work. In particular, to the Urubici latvian families.
 
Hugs from Blumenau!

Excerpt from the article written in 2015, by Angelina Wittmann, in her blog.

A história dos Letos em Urubici

Urubici hoje consta na lista de melhores destinos turísticos do Brasil. A pequena cidade, encrustada nos morros que formam a serra catarinense, é conhecida pelo seu clima frio e belíssimas paisagens naturais. Na última década a cidade cresceu vertiginosamente devido ao turismo e hotelaria.
 
Por isso, hoje nós falaremos um pouco da história dos letos da região. O artigo a seguir é um extrato da visita da historiadora e arquiteta teuto-brasileira Angelina Wittmann. O artigo completo pode ser lido aqui.

Os Letos em Urubici Antigamente. Fotos pertencentes à Arvido Purim


Após visitarmos Urubici em janeiro de 2015 – cidade da serra catarinense que recebeu vários grupos étnicos oriundos de outras regiões do Brasil e da Europa, vamos contar um pouco sobre uma das culturas que contribuiu para o desenvolvimento desta região, pelo menos, nas  últimas seis décadas.  Para um bom observador, basta um olhar mais apurado na paisagem, e perceber que ainda há a presença desta herança cultural que  fez parte da formação e da história de Urubici – a presença cultural dos letos

Letos – grupo, que além da fazer parte da história da cidade e presente, até os dias atuais na comunidade serrana, não perdeu contato com o grupo maior que imigraram para o Brasil e também, com a Letônia, seu país de origem.
 
Estes imigrantes não vieram diretamente para Urubici. Depois de desembarcar no porto de Laguna se estabeleceram-se em Orleans e arredores no sul de Santa Catarina.
 
Antes, porém, em 1888, dois jovens pastores, um pastor luterano e outro doutor em filosofia e pastor Batista: Karlis Balodis e Peteis Sahlitis, respectivamente, visitaram o Estado de Santa Catarina e colônias de imigrantes europeias existente na cidade de Grão-Pará e Orleans. Tinham interesse em conhecer mais sobre a imigração e vantagens oferecidas pelo governo brasileiro. Quando retornaram para a Letônia, fundaram  uma Companhia de Imigração para promover a emigração de famílias letas para o Brasil e, especificamente, para o Estado de Santa Catarina.
 
Em  abril de 1890, 25 famílias lideradas pelo Pastor Karlis Balodis embarcaram em Riga, capital da Letônia, rumo ao Brasil. Após escala na Alemanha, chegaram ao Brasil – no Porto de Laguna, onde receberam  a quantia prometida para cobrir despesas de viagem e 480 mil m2 de terras. As terras deveriam ser pagas com a produção da lavoura e da pecuária. De Laguna, as famílias foram conduzidas para a o município de Orleans, onde foi fundada a primeira colônia de letos do Brasil – às margens do Rio Novo e batizada também de Colônia Rio Novo. A ausência de infraestrutura primária, a necessidade de derrubar a mata para locar os principais equipamentos de uma colônia, fez que muitas destas primeiras famílias buscassem outros locais com urbanidade, restando somente 4 famílias desta primeira leva, em Rio Novo. Mas, posteriormente, outras tantas famílias chegaram, em outros grupos de imigrantes letos à região e se fixaram na colônia.
 
Com já mencionamos, aconteceram movimentações sociais, políticas e econômicas nas primeiras décadas do Século XX, na Europa. A Letônia estava sob o domínio do império russo e muitos foram proibidos de praticar sua religião. Com isto, alguns resolveram fugir da perseguição religiosa e emigraram para o Brasil. A primeira Igreja Leta, e uma das primeiras igrejas batistas do Brasil, foi fundada em Rio Novo – ano de 1892.
 
A religião dos imigrantes letos foi a grande responsável de manter a hegemonia cultural do grupo no Brasil. Foi importante para a coesão dos imigrantes, que sofreram perseguições, não somente pelos russos – na Europa, mas também em solo brasileiro, por católicos de Orleans e posteriormente, também de Urubici. 
 
Contam os antigos que em torno de 1920, não satisfeitos com o clima quente, muito diferente da terra natal,  as condições e planos das colônias, um grupo de letos resolveu conhecer e subiu a serra catarinense pelas encostas da Serra Geral sobre lombo de mulas. O clima da serra era semelhante ao da terra natal e assim poderiam cultivar maçãs e trigo. Contam que subiram pela Serra do Engenheiro e pelo rio do Bispo, entre o Morro da Igreja e a Serra do Corvo Branco – atual Rodovia SC  350, chegando no Distrito da Esquina.

Os quase 1km de serra formavam uma barreira quase impenetrável para os colonos no início do século XX. Em 1970, as estradas da Serra do Corvo Branco e do Rio do Rastro já haviam sido abertas.

Ao longo da primeira metade do Século XX, chegaram em Águas Brancas – na época, Distrito de Bom Retiro, atualmente pertencente a Urubici, mais de 50 famílias descendentes ou imigrantes letos. Algumas famílias, como: Andermann, Auras, Elbert,  Feldman, Freibergs, Frischenbruder, Karkle, Karkling,  Klava, Klawinch, Lanka, Leepkaln, Legsdins, Leimann,  Pägle, Sahlit, Zeeberg, Slengmanis, Karklis,   Ungurs, Linde, Briedit, Ozols, Feldsberg, Maissim, Zalit, Karps, Grikis, Bruvers,  Bumbiers, Ochins, entre outras. A origem da maioria destas famílias na Letônia era da capital do país – Riga e da cidade de  Ventspils – também uma cidade portuária localizada no Báltico.
 
Ao chegarem, as famílias letas adquiriram as terras junto a encruzilhada dos caminhos que chegam em Urubici, nas proximidades do Rio Canoas. Esta encruzilhada (chamada de “Esquina”) hoje é um bairro da cidade. Foram mais de 3 Km adquirido ao longo da rua que liga a Esquina em direção à Santa Terezinha. Atualmente ainda podem ser encontradas as propriedades com os descendentes das mesmas famílias.
 
Muitas famílias que chegaram no final da primeira metade do Século XX,, também vieram de colônias letas do Estado de São Paulo, como a família Lanka, e também  imigrantes direto da Letônia, como a Família Ozol, que chegou na cidade em 1930, São oriundos  da vila Sloka, atual bairro de Jūrmala. 

O Clima de Urubici lembra muito o clima da Letônia. Com invernos frios e com neve. Aqui podemos ver alguns letos se divertindo com a nevasca que atingiu a região.

Até construir sua Igreja Batista, os letos se reuniam numa sala cedida pela Família Karp, que mais tarde doou o terreno para construir a mesma, em forma de mutirão e doações. Nos acabamentos da igreja tiveram auxílios dos letos pentecostais, alguns exímios carpinteiros. Os registros contam que neste período famílias pentecostais  se converteram à Igreja Batista, como também ao contrário. Viviam em harmonia, até o momento que pastores pentecostais foram pregar na Igreja Batista, gerando um mal estar que interferiu nas boas relações entre as duas igrejas. Como a Igreja Batista não tinha sido registrada como seu patrimônio, esta foi apropriada por aqueles que ajudaram a construir e doaram o terreno – Igreja Pentecostal. O fato acelerou as providência para que construíssem a segunda igreja, agora pertencente a Igreja Batista Leta de Urubici que faz parte da paisagem da cidade até os dias atuais e visitamos neste mês de fevereiro.
 
Atualmente, a igrejas batistas letas do Brasil mantém uma tradição que acontece desde meados do século XX. Promove encontros de descendentes e letos espalhados pelo país em um grande momento de congraçamento e oração. Neste ano de 2015, o evento aconteceu na cidade de Urubici no mês de julho. Valdo Frischembruder comentou durante seu depoimento, gravado e postado nesta pesquisa. [Um outro artigo posterior relatará esse congresso]
 
Visitamos a Família de Ziedonies Frischembruder e também, conversamos com Valdo e João, seus filhos. O patriarca Krisch Frichenbruder (Nome é diferente por conta de erros durante registros no Brasil) e família, chegaram em Urubici no ano de 1931 da Colônia Rio Novo. Krisch era o pai de Ziedonies e avô do João e do Valdo. No meio de nossa conversa, foi lembrado novamente, que a Letônia foi domínio dos alemães, russos e poloneses.
 
Ziedonies nos contou que seu tio avô, Juris, escrevia para a família – sobrinhos, que poderiam vir sem medo para o Brasil. Descrevia um alimento oriundo da terra que “dava para comer e tinha semelhança com pó de serra e forma de vela”, reportando ao aipim e mandioca. Também mencionava que o trigo se dava a vontade. O tio avô de Ziedonies veio passear, e por questões politicas não poderia deixar a Letônia. Quando puderam sair do país, vendeu tudo  e com sua família, em um primeiro momento, foram morar em São Paulo, para trabalhar nas plantações de café.

A família Frischenbruder em Urubici.

João Frischembruder comentou que os letos além de agricultores eram excelentes carpinteiros e muitas das tipologias históricas presente na cidade são resultados de seu trabalho, como por exemplo a tipologia de janela com folhas em guilhotinas com determinados desenho a partir da disposição das vidraças.
 
João é professor da língua leta, para quem quiser aprender e afirma ser muito difícil. Segundo ele, há palavras que se escrevem igual, mas conforme for sua colocação em uma frase – qual estiver inserida, muda sua pronúncia.
 
Muito bom saber que há um trabalho concreto, voluntário, pautado na consciência sobre a sua importância para a longevidade desta parte da história, não somente da cidade de Urubici, Santa Catarina, mas da história de um povo, que mantem sua identidade mesmo longe de sua pátria.
 
O primeiro hotel de Urubici foi fundado pela Família Andermann, também conhecido pelos mais antigos da cidade pelos doces que faziam e comercializavam no café e na padaria.
 
Conversamos com o neto de Emílio Andermann – Artus. Emílio foi o fundador do Hotel Andermann, da padaria e a venda localizada na esquina. A família chegou no Brasil no ano de 1918. Emílio tinha 18 anos e seu pai não queria mais participar da guerra e trouxe a família para o Brasil. Artus comentou conosco, que seu pai, filho de Emílio está um pouco desgostoso com a reação de muitos, que por falta de conhecimento, os hostilizavam por acharem que eram russos  comunistas. Possuíam um equipamento de rádio amador e se comunicavam com a Letônia, na época já sob domínio soviético, o que levantava suspeitos das pessoas que ignoravam que muitos dos letos vieram para o Brasil para fugir do autoritarismo e domínio, primeiramente do império russo e depois do soviético.

O Hotel e Padaria Andermann.

Os Andermann, muito são bem relacionados com seu país de origem, recebiam revistas e isto era o suficiente para levantar suspeitas. Falavam fluentemente  o leto, o alemão e o russo.
 
Artus, nos comunicou que pretendem desmontar a edificação do antigo Hotel Andermann construído por Emílio, o que lamentamos, pois é parte da história dos letos de Urubici, parte da história de Urubici e de Santa Catarina.
 
 Também visitamos a Igreja Batista de Urubici e conversamos com o Pastor. A igreja é a mesma construída pelos primeiros letos que chegaram na cidade de Urubici na primeira metade do Século XX e está localizada na Rua Adolfo Konder, N° 2023.
 
A Igreja Batista de Urubici foi fundada no dia 25 de agosto de 1934 sob a coordenação do Pastor Carlos Stroberg e do diácono Oswaldo Auras. Na época a comunidade contava com 40 membros e era a 19° Igreja Batista Leta do Brasil. Lembrando que também existiam imigrantes e descendentes de letos que eram pentecostais (Assembleia de Deus). A edificação da  igreja que existe até os dias atuais, com algumas descaracterizações, foi  inaugurada no dia 25 de agosto de 1940. 
 
As atividades sociais e religiosas na igreja são intensas, desde grupos de orações e cantos. Os grupos de canto tem o acompanhamento de instrumentos musicais. O Pastor nos apresentou alguns instrumentos musicais históricos, guardados com zelo, que foram trazidos pelos pioneiros.
 
A partir da história, cultura, tradição, religião, língua, nós conhecemos um pouco mais, a partir da escala de comunidade. Aprendemos um pouco mais sobre parte da História de Santa Catarina. História que também recebeu contribuição dos letos. Nossa gratidão a todos que, direta e indiretamente, contribuíram para este trabalho. Em especial, às famílias letas de Urubici.
 
Abraços de Blumenau!

Extrato do artigo escrito em 2015, por Angelina Wittmann, em seu blog.